VOLTAR  Fã Clube  Shows  Covers  Forum  Membros  Novidades  Fanzines  Contato

1969 -  PRINCIPAIS FATOS


Com o sucesso do Especial de 68, Elvis volta totalmente energizado em 1969. De cara lança um álbum elogiadíssimo pela crítica e fãs, "From Elvis in Memphis"! Era um trabalho bem diferente das trilhas sonoras o que trouxe Elvis novamente às paradas de sucesso! As gravações no American Sound em Memphis gerou também um de seus maiores hits "Suspicious Minds", esta canção moldaria as performances do Rei a partir de então! No mesmo ano voltou a cantar em Las Vegas em shows incríveis e históricos! O registro dessa fase está no excelente álbum "FROM MEMPHIS TO VEGAS/VEGAS TO MEMPHIS"! Elvis ainda lançaria 3 filmes: "Charro"; "The Trouble With The Girls" e "Change of Habit"! Os fãs estavam em êxtase, pois tinham agora Elvis nos cinemas, nos palcos e com novos álbuns!

O QUE ERA NOTÍCIA NO BRASIL E NO MUNDO

22.06.69 - Judy Garland morre aos 47 anos em Londres

20.07.69 - O homem pisa na Lua

16.08.69 - É realizado o Festival de Woodstock


OS PRINCIPAIS FATOS ENVOLVENDO ELVIS EM 1969

Se coloque no lugar de Elvis e tente imaginar o tamanho de sua felicidade em 1969. Seu especial de regresso em 1968 pela TV lhe deu gás para retornar seus shows ao vivo, algo que não fazia há 8 anos. Com o hit “Suspicious Minds” retornava ao posto número 1 das paradas de sucesso! Seus discos recebiam ótimas críticas depois de um período turbulento de trilhas sonoras. Fisicamente Elvis estava mais magro, bronzeado de suas férias no Hawaii que tanto amava. É desse ano magnífico que iremos abordar nesse capítulo, seu retorno ao esplendor! Depois de toda a tensão que envolveu o especial da NBC, Elvis resolveu mudar a trajetória de sua carreira. Primeiramente resolveu mudar de estúdio indo parar no American Recording de Memphis. Para muitos foi um retorno às origens, já que o American se tratava de um estúdio simples sem os recursos dos grandes estúdios! Mas foi justamente neste que Elvis gravaria dois de seus melhores álbuns, From Elvis in Memphis e Back in Memphis. O Rei estava com 34 anos, mas estava entusiasmado como no início da carreira!  Elvis estava preocupado com a qualidade das músicas e  não atender uma encomenda de mais uma trilha sonora.Há muitos anos o Rei não gravava algo sem o objetivo de rechear um longa metragem. Antenado com o que estava acontecendo na época, grava músicas como “Hey Jude” dos Beatles e “True Love Travels on a Gravel Road” de Duane Dee, sucesso na época. “Hey Jude” só seria lançada em disco no álbum “Now” de 1972, mas não se sabe o por que do arquivamento. As músicas de protesto foram uma contribuição dos Beatles no cenário musical da época. As rádios davam destaques para este tipo de música já que os jovens se identificavam com a proposta. Elvis também entrou na onda e se deu bem com a canção “In The Ghetto” uma maravilhosa canção que mostrava as injustiças sociais. No dia 13 de janeiro de 69 gravaria “Long Black Limousine” e “This is the Story”, duas excelentes canções que não se tornaram Hits, mas tinham muita qualidade. Foi no American que Elvis iria gravar um de seus maiores sucessos... “Suspicious Minds”! Apesar do Rei não ter gostado do tratamento que o estúdio fez com a canção, não impediu dela se transformar em número 1 das paradas de sucesso. Suspicious Minds também marcaria pela sua performance ao vivo, pois Elvis podia usar de suas técnicas de Karatê em sua coreografia. Naquele mesmo ano os Beatles gravariam seu melhor álbum “Abbey Road” o que se tornaria também o último de estúdio do famoso grupo. Se por um lado os Beatles estavam acabando, Elvis estava renascendo! Outro fato importante foi a ida do homem à lua, um marco para a humanidade! A única coisa que não andava no mesmo nível ainda era seus filmes. Como estava atrelado a cumprir seu contrato, teve que lançar 3 filmes durante 1969, eram eles: “Charro”, “The Trouble With Girls” e “Change of Habit”.

Se nos filmes Elvis não teve grande êxito durante aquele ano, não se pode dizer o mesmo o que aconteceu em Las Vegas. Sua volta aos palcos não poderia ter sido melhor, uma das melhores fases do Rei com certeza em todos os sentidos. Veja porque: O Rei tinha tudo para arrebentar nos palcos novamente. Até a exigente revista Rolling Stone escreveu uma ótima crítica de seu álbum “From Elvis in Memphis” “...From Elvis in Memphis é mais que um LP... é a prova de quem começou tudo isso está melhor do que nunca. Um verdadeiro astro do Rock’n’Roll. Elvis domina um repertório que derrubaria dúzias de Mike Jaggers sem esforço algum, ele vai da fúria à ternura, da ironia à paixão, tudo em menos de um segundo. Ele só precisava de um disco para provar que ainda é o melhor de todos e este disco chama-se From Elvis in Memphis”. E realmente o crítico estava correto, aquele era um grande trabalho, bem diferente de muitas trilhas de filmes que apenas os fãs adoravam. Nós fãs adoramos quase tudo que nosso ídolo fez, porém, temos que ter o olhar daquele que também não é fã! Com o sucesso de “Suspicious Minds” Elvis retorna ao trono das paradas, agora faltava tomar de assalto Las Vegas. A data escolhida foi 26 de julho de 1969, cada ingresso a 17,50 dólares. Qualquer fã hoje pagaria 1000 vezes mais para acompanhar um dos momentos mais importantes de sua carreira. Poucos são os astros que ressurgem com tanto sucesso depois de afastados do palco. Elvis estava bronzeado, mais magro e com uma vitalidade nunca vista antes. Na platéia estavam várias celebridades que não queriam perder a oportunidade. Ann Margret, Shirley Bassey, Pat Boone e George Hamilton estavam lá e ficaram maravilhados. Vestido com um jumpsuit negro, com lenço e cinto vermelhos Elvis adentrou o palco do International Hotel para dar início a uma nova fase em sua carreira. Não havia a introdução de “2001 uma odisséia no espaço” e sim acordes para o início de “Blue Suede Shoes”, mesmo assim foi eletrizante. Para acompanhá-lo foi chamado os grupos vocais Sweet Inspirations e The Imperials, apenas as Sweet Inspirations ficaram até seu último show em 1977. Para este repertório de estréia em Vegas, Elvis preferiu as canções do início de sua carreira com poucas exceções. Dos clássicos cantou “Hound Dog”, “I Got a Woman”, “Jailhouse Rock”, “Don’t be Cruel”, ‘Heartbreak Hotel”, “All Shook Up” e “Love me Tender”. O que deve ter pego muita gente de surpresa foi Elvis interpretar “Yesterday/Hey Jude” de seus “concorrentes” musicais. Para incendiar de vez o palco do international, cantou “Johnny B Goode”, “Mistery Train/Tiger Man” e “What’d I Say” de Ray Charles. Com um repertório assim não havia quem pudesse criticar o show de Elvis. Para finalizar encerrou o show com aquela que seria sua “saideira” Can’t Help Falling in Love”. O público em delírio gritava “Elvis” e “Bravo”, era a consagração e a volta definitiva de Elvis aos palcos, algo que só parou em 26 de junho de 1977 na cidade de Indianápolis. Após o show, o velho Coronel Parker organizou uma coletiva no qual Elvis pode colocar sua opinião sobre temas importantes de sua carreira. A primeira pergunta foi direta: - Por quê esperou tanto tempo para se apresentar novamente ao vivo? Elvis mostrou seu descontentamento de sua fase cinematográfica respondendo: - É que tínhamos de terminar nossos compromissos cinematográficos. Perdi o contato com platéias e era chato cantar o dia inteiro para uma câmera de cinema. Depois foi perguntado se faria mais shows. – Quero que isso aconteça, claro. Gostaria de apresentar-me pelo mundo e a Inglaterra está incluída. Escolheram Las Vegas porque é para onde convergem pessoas de todos os cantos. O desejo de Elvis viajar o mundo numa tour jamais aconteceu e com isso o sonho de shows na Inglaterra também. O Rei sabia que na terra dos Beatles o trono era dele também, tamanho o número de fãs. Um repórter questiona sobre seus filmes: - Está cansado dos seus papéis nos filmes? – O Rei responde: - Sim. Quero mudar o tipo que venho representando.  Não somente Elvis estava cansado desses papéis como também o público. Seu talento poderia ter sido melhor explorado com papéis mais sérios, assim como o enredo dos longa metragens. Sobre as trilhas sonoras um repórter perguntou: - Você achou um erro ter gravado tantos LPs de trilhas? Sem enrolar Elvis reponde: - Creio que si. Quando se canta dez músicas num filme não podem ser todas boas. Enfim, estou cheio de cantar em vão. Os erros na carreira de Elvis serviu para que outros astros não o cometessem, até nisso Elvis foi “pioneiro”. Os resultados desse show tiveram forte repercussão na mídia e com os fãs. Imagem a felicidade dos fãs espalhados por todo o mundo com a perspectiva de enfim assistí-lo ao vivo! Aqui no Brasil muitos fãs deste período torciam para que Elvis voltasse a gravar seus rocks e se apresentar ao vivo. O álbum “From Elvis in Memphis” ao contrário do “NBC Especial” foi lançado no Brasil, assim como o “Back in Memphis” que vinha junto com o álbum “In Person”. Todos comemoraram, a Elvis Monthly escreveu: “Em 20 de julho de 1969, o Homem desceu na lua, a águia pousou e Neil Armstrong deu um pequeno passo para o homem, um gigantesco passo para a humanidade. Em 26 de julho de 1969, Elvis Presley pisou no palco do International – o Rei retornou. Pode ter sido um pequeno passo para Elvis, mas um gigantesco passo para seus fãs!” E realmente foi, pois se os fãs quisessem assistí-lo teriam que ir até os Estados Unidos, mas por outro lado Elvis jogou “combustível” nos fãs clubes que  se encarregavam de fazer a mobilização  dos fãs sobre o retorno! Tive a oportunidade de conhecer Nicolau Samarra da cidade de Aparecida, SP. Nicolau era adolescente quando viajando com seu pai em Vegas teve a oportunidade de assistir Elvis. Até então Nicolau não era tão fã de Elvis, mas a partir deste show se transformou no maior fã de sua cidade. Sua paixão foi tão grande que fez uma loja de artigos religiosos e colocou o nome de “Elvis Presley”. Já se passaram 38 anos desde aquele 26 de julho de 1969. Uma data que marca o ressurgimento daquele que foi o único e verdadeiro Rei do Rock de todos os tempos!     

Lança "Suspicius Minds", último single "Número 1" da carreira de Elvis (ainda vivo).

Assina um contrato para se apresentar no International Hotel, em Las Vegas, por quatro semanas


JULHO / 1969

 12.07.1969 - Elvis é capa da revista Rolling Stone.

 Retorna aos palcos em julho de 1969

Grava o excelente álbum "From Elvis in Memphis"


29°. filme, "Charro"

   

Grava seu primeiro album duplo da carreira, "From Memphis to Vegas, Vegas to Memphis". O primeiro disco, uma gravação ao vivo em Las Vegas e o outro um disco de inéditas gravado em Memphis.

30°. filme, "The trouble With the girls"

31°. filme, "Change of Habit"

     


OUTUBRO / 1969

 29.10.1969 - No Brasil o disco "From Elvis in Memphis" é matéria na Revista Veja. Pra variar colocaram a contra-capa ao invés da capa principal. Naquela época vários discos de Elvis não foram lançados no Brasil, o que irrritou os fãs. Quando esta matéria foi lançada "Suspicious Minds" só estava há 20 dias nas paradas de sucesso! A midia brasileira acustumada em criticar Elvis pouco comentou a grande virada da carreira de Elvis (tirando algumas excessões). From Elvis in Memphis foi um album com muita história e importância na carreira de Elvis, mas a matéria da revista não entendeu sua importância.